sábado, 28 de abril de 2007

Oposição"zinha" *

A oposição institucional, feita no seio das instituições democráticas como o é a Assembleia da República, é nos regimes democráticos o instrumento de trabalho dos que ficam de fora do Poder Governativo.
A estes 'sobra-lhes' (não menosprezando...) o Poder Legislativo a exercer na AR, acrescido de um outro poder/dever, que é o de “fazer oposição”.

Volvidos dois anos de Governo Socialista, o maior partido da Oposição, ou “o estado-maior de Marques Mendes”, como alguém o denominou, continua a ser oportuna e justamente acusado de fazer uma Oposição débil e muito aquém do desejável.

Em dois anos, Marques Mendes só se mostrou realmente preocupado e exaltado aquando da recente polémica das habilitações literárias do Primeiro-Ministro. Só se pronunciou com fervor e determinação para falar sobre matéria curricular, particularmente, a do homem cujo actual cargo ele deseja para si já em 2009.
Muitos não concordaram com este 'abespinhar' de Marques Mendes, como o companheiro Gonçalo aqui do Lodo. Eu considerei oportunas e sensatas as atitudes e exigências feitas pelo líder social democrata face à questão 'Independente'. Mas tristemente constato agora que esta súbita determinação e esta vigilância de Mendes, qual sentinela, foi sol de pouca dura...

Mais à direita, o CSD de Ribeiro e Castro também não se destacou na Oposição e deixou-se esmorecer (leia-se: adormecer) nas confortáveis cadeiras do Parlamento.
Já o recém ressuscitado Paulo Portas, regressou ao Parlamento na passada sexta-feira, dia de Debate Mensal, para cumprir o prometido: “fazer oposição institucional e popular”.
Mas ficou um pouco aquém da promessa e deixou até que Sócrates ironizasse os seus ultimatum's...

Quanto ao Quarto Poder, esse (salvo raras e benditas excepções…) continua a "levar ao colo" Sócrates e o seu (des)Governo.
Se a Oposição se mantiver murcha e passiva, na Assembleia da República o PM, com ou sem canudo, parece ter a tarefa facilitada.
Perante esta 'ditadura Socrática' que já leva dois anos, só me ocorre uma solução, que irrompe precisamente nos finais do mês de Abril:
uma (r)evolução na Oposição.
É tão desejável, quanto indispensável...


* O título deste post foi “roubado” ao seguinte episódio:

- Então e fazer Oposição, não?..
Marques Mendes: - Faço Oposição todos os dias.
- Oposição«zinha»… Até o amigo Menezes, lá de longe, faz bem mais…
Marques Mendes: - Então siga-o…
- Pode crer que o sigo…


Não, não é ficção….
Foram as ‘amistosas’ palavras trocadas entre uma jovem militante social-democrata e Marques Mendes, no final do XIX Congresso Nacional da JSD. E ainda dizem que os jovens que integram juventudes partidárias são meros fantoches sem vontade própria, nem consciência crítica… …

2 comentários:

Luis Cirilo disse...

Ora ai está uma jovem patriota !

Ricardo Cândido disse...

Enfim...

A democracia vive de alternativas, e quem não perceber isso, não tem perfil para líder.

Essa conversa revela latitude (ou falta dela!) política!!!