sábado, 6 de julho de 2013

Ficamos assim...

Embora com a devida moderação, não havia como não romper o silêncio sobre a vida política portuguesa.
Estando ainda “a bola a correr”, o que aqui se diga pode ficar desactualizado ao minuto. Todavia, algumas observações (repito, não tão acutilantes como desejaria) posso já fazer:
1 – À distância, fico com a impressão de que nunca se criou uma relação de confiança pessoal ou sequer de empatia entre Pedro Passos Coelho e Paulo Portas. Se é certo, como dizia um rival que tive na JSD, que “não precisamos de ser amigos para trabalharmos juntos”, a verdade é que, em não raras ocasiões, um bom entendimento ajuda.
Na minha modesta opinião, havia que ter posto em lugares charneira pessoas que pudessem fazer pontes e limar arestas entre os dois partidos. Fico, ao invés, com a sensação de que cada uma das forças coligadas nomeou os seus como se de uma sociedade por acções se tratasse.
Talvez Mourinho pudesse, melhor que eu, falar sobre a importância do espírito de equipa, mesmo pelo lado negativo da sua ausência, se pensarmos na experiência em Madrid…
Em todo o caso, a ser verdade o que se ouve, mais vale tarde do que nunca.
2 – Dizem as “últimas” que o CDS poderá negociar a manutenção na coligação, com alterações no elenco. A esse respeito, admitamos que o seu líder podia ter razão ao desejar maior grau de informação sobre as nomeações para a equipa. Todavia, voltamos ao mesmo ponto: será que o mesmo grau de consulta existiu nas nomeações dos titulares das pastas que cabiam àquele partido (para além da necessária e constitucional informação ao Primeiro-Ministro)?
O que foi mal calculado – beneficio da dúvida concedido, sem o que as palavras teriam que ser mais amargas – foi o efeito de uma decisão que, ainda que eventualmente profícua na defesa da auto-estima pessoal e colectiva (CDS), teve uma série de efeitos imediatos devastadores, com consequências que chegaram ao plano internacional.
“Que farias tu?” – perguntariam alguns leitores. Nestas coisas da política, creio que o País está sempre primeiro. Por muitas eventuais tropelias com que nos dificultem a vida, os objectivos do mandato conferido têm que estar primeiro (a uma escala ínfima, sei o que é ter um grupo interno a sabotar – e estou certo que nem por sombras se passou algo assim na coligação – e não desmobilizar até completar a missão). Por outras palavras, mesmo que admitamos que Portas tinha razões de queixa, creio que, inquestionável patriota que é e sempre foi, deveria ter sopesado melhor os resultados da sua consternação e, talvez, aumentado a sua capacidade de sofrimento ou, em alternativa, lograr os mesmos resultados através de uma negociação discreta.
Em suma e em matéria de cenários, creio que a manutenção renegociada da coligação é o cenário preferível (tacticamente, até para António José Seguro), seguindo-se nas opções defensáveis um eventual elenco resultante de esforços presidenciais (os governos de iniciativa presidencial estão fora do seu alcance), embora não acredite que tal encaixe no perfil do nosso Presidente. Os custos de um acto eleitoral iriam muito além da organização do escrutínio.

1 comentário:

Joaquim De Freitas disse...

Existem várias espécies de miséria . E não quero falar da "tradescantia", a crescimento rápido, da família das" commélinacées"! Que tenho no meu jardim.

Penso antes nas outras ! Por exemplo, a condição ou estado daquele, homem ou Nação, que inspira piedade. Que pode ser material ou moral.
Ou ainda a que denota uma grande insuficiência, uma grande carência no campo social, psicológico e espiritual.
Mas a pior das misérias é talvez quando ela é a expressão da fraqueza e impotência do homem e do nada da sua condição. Os homens políticos são freqüentemente vitimas desta miséria! Por vezes, o orgulho é a paixao dominante, afectando a grandeza até à mais triste miséria, vitimas dum narcisismo 'irrevogável"!
E mesmo se todas as ambições são legítimas, as que se elevam sobre as misérias dum povo crédulo são abjectas. A política, então, não é mais que a política do medo, da fome , da miséria diluída ao nível das massas que dela sofrem.

Ao ver, de longe, o espectáculo deprimente da política e dos políticos portugueses ao nível do Estado, não posso deixar de pensar nas palavras dum candidato às eleições legislativas, em França, há mais de um século, Jules Vallès :" Fui sempre o advogado dos pobres, sou o candidato do trabalho, serei o deputado da miséria! A miséria! Enquanto houver um soldado, um carrasco, um padre, um funcionário da alfândega, um rato de cave, um funcionário irresponsável, um funcionário inamovível, um policia credível sob juramento, enquanto houver tudo isso a pagar, povo tu serás miserável" !

Se as grandes revoluções nascem das pequenas misérias, como os grandes rios nascem dos pequenos riachos, é pena que em Portugal hajam tão poucos riachos!