sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Feliz Natal

É corrente que na minha geração estejamos de costas voltadas para a Igreja e sejamos cépticos quanto às estórias relatadas na Bíblia. É difícil explicar aos meus amigos porque tenho um crucifixo em casa e um terço que anda sempre dentro da minha mala, porque a explicação de racional não tem nada e o pessoal é como S. Tomé.

O que queria dizer é que independentemente de tudo o que possa ser verdade ou lenda, existir uma crença de união que baseia a sua verdade na evidência do que o Homem tem de melhor é algo de maravilhoso. E ter transmitido os valores pelos quais o Homem deve reger o seu comportamento ao longo dos séculos, especialmente quando o analfabetismo era a normalidade foi um dos maiores contributos para o estabelecimento das sociedades em que hoje vivemos. Consolar as populações, prestar apoio social, fazer-nos acreditar que no matter what devemos agir sempre pelo Bem, ensinar o perdão é um dos maiores contributos para o progresso e estes são os motivos lógicos pelos quais assumo a lei cristã.

A fé faz o resto.
Um feliz Natal.

4 comentários:

Krystel disse...

Não sigo nenhuma religião, mas respeito imenso qualquer uma das religiões existentes.
Acredito que a fé e a crença é algo que se têm ou não se têm. É uma espécie de dom. As pessoas não ganham fé de um dia para o outro; se assim parecer, é porque já existia, estava era escondida por detrás dos problemas e incertezas.
Olho para as pessoas religiosas ou crentes, com um brilho nos olhos. Aos meus olhos, é bonito ver essa crença no ser humano. No fundo, lá vos invejo de terem algo bonito como a fé.
Um excelente natal e um bom ano novo!

Defreitas disse...

Estamos a chegar ao Natal. Num mundo onde há ainda tanta gente que, ao levantarem-se de manha, não sabem se vão comer ao meio dia, a azáfama das compras desta época tem algo de contraditório, salvo para aqueles que conservaram o emprego ou não precisam dele para festejar o Natal.
Ninguém sabe se o ano que vem será ainda mais sombrio que o que se acaba na desilusão e na preocupação .

Deplora-se a carestia da vida e as decisões duras dos governantes, que não fazem nada para , ao menos, ajustar o preço dos produtos de primeira necessidade ao nível das posses dos mais desfavorecidos.
Mas no fundo, serão eles capazes ou terão os meios para o fazerem.

Natal, símbolo de esperança, de renovação, vive-se na desesperança, na incerteza, dum tempo que acabou.
Esta data contem uma promessa, como toda palavra que é o suporte duma ideia.
E ninguém tem uma ideia precisa do que será amanha. Um amanha que se deve apesar de tudo construir ou reconstruir para os nossos filhos, para o pais.
E é nesta perspectiva que convém de viver o Natal de hoje. E de se desejar Boas Festas, apesar das incertezas.
A esperança que tudo não está perdido, que tudo não acabou. E que todos, na conjugação das nossas forças, podemos construir a partilha e a justiça que todos sonhamos.

Bom Natal

Freitas Pereira

Fátima Laouini disse...

É muito bom acreditar. Feliz Natal.:)

Dulce disse...

Tânia, que bonita e oportuna reflexão! Que as crenças que dominam esta época se prolonguem ao longp de todo o ano que aí vem..!