quarta-feira, 21 de abril de 2010

Espelho meu, espelho meu...

... haverá alguém mais bem paga para passear que eu?

Uma viagem por semana e ajudas de custo, à custa do contribuinte. É no que dá a snobeira da deputada Inês de Medeiros. A novela em que é personagem principal chega hoje ao fim, com a aprovação, pelo Conselho de Administração da Assembleia da República, de um parecer favorável ao subsídio das viagens semanais. Atentas as lacunas no regimento da AR, é certo que não havia outra saída. Mas não deixa de ser condenável que alguém se candidate pelo círculo eleitoral de Lisboa, declare residir em Lisboa (freguesia de Stª Catarina) e, para os demais efeitos, se dê como residente na Cidade Luz. Para que raio serve então o círculo da Europa?Adicionar vídeo

2 comentários:

Gonçalo Capitão disse...

O problema é estranho e deriva da legislação.

Quando fui eleito em 2002, pelo círculo de Lisboa, indiquei a minha residência em Coimbra, já que, apesar de trabalhar na Capital, sempre lá tive domicílio fiscal, domicílio real e actividade cívica (política, media e futebol) conhecida. Acresce que nasci e estudei em Coimbra e morrerei como "coimbrinha".

Todavia, quando me apercebi que me pagavam deslocações de casa ao círculo eleitoral, telefonei para os serviços, perguntando se delas podia abdicar, já que o local de trabalho e a circunscrição eleitoral coincidiam - ao que sei, fui o único a tomar essa atitude (li-o, depois de cessar funções, numa das revistas noticiosas mais circuladas). Foi-me dito que não podia e que a lei assim o determinava, embore me elogiassem o acto de cidadania.

Ora, se já a minha situação me levantou dúvidas, que dizer de uma pessoa que aceita candidatar-se por Lisboa e indica uma residência em Paris, quando, estou certo, tem muito onde ficar, por cá.

E nem se diga que acho que a Senhora deve ser prejudicada... O que digo é que das duas, uma: ou não aceitava ser candidata por Lisboa (pedia o círculo europeu) ou renunciava a este encargo para um erário público muito onerado.

Isto não tem a ver com o PS. É uma questão de consciência da Deputada.

Dulce Alves disse...

Nem mais: "É uma questão de consciência da Deputada." Uma deputada que, curiosa coincidência, pertence à Comissão de Ética da AR...