quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Suspender a parvoíce por 6 anos

Já aqui escrevi sobre o que eu, no lugar da Dra. Manuela Ferreira Leite, não teria dito.

Surge agora outra declaração da líder do meu PSD que, no mínimo, é polémica. Leio no site da RTP que a Dra. Manuela terá dito que “Quando não se está em democracia é outra conversa, eu digo como é que é e faz-se. E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem democracia. Mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia”...


Vamos por partes, pois o caso tem pontas soltas:

  1. As afirmações foram proferidas numa ocasião (um almoço organizado da Câmara de Comércio Luso-Americana) em que a Premier laranja atacava a governação de José Sócrates, sublinhando que não podem fazer-se reformas que contendam com interesses de determinados grupos profissionais, virando a opinião pública contra os mesmos, no intuito de os fragilizar. No caso, acho que falava do sistema judicial.

  2. Era uma ironia dirigida ao modus operandi socialista tão fácil de entender que, vendo o video, se escutam com facilidade os risos da assistência.

  3. Alberto Martins (líder parlamentar do PS) sabe-o e foi oportunista; Luís Filipe Meneses queixou-se deste tipo de ataques e, agora, usa-os.

  4. Ninguém de bom senso acha que a Dra. Manuela defende, realmente, a suspensão da democracia.

  5. Toda a gente já pensou nisto, dada a sociedade corrupta e sem civismo em que vivemos. Pense-se até que, em contextos diversos, os Generais Garcia Leandro e Loureiro dos Santos já alertaram para o limite em que os nossos péssimos políticos (falo da média) estão a colocar o regime democrático.

  6. Concordo que uma pessoa com o traquejo político da nº1 social-democrata não pode "pôr-se a jeito" desta forma, mormente quando não tem vocação para dizer graças (a este nível só mesmo o insucesso de Durão Barroso, quando, no congresso de Viseu, comparou Santana Lopes a um misto de "Zandinga e de Gabriel Alves").

Feita a análise política, sublinho que o empolamento que os media estão a dar ao caso só pode trazer maus resultados para os próprios, a médio prazo, já que, ao acossarem uma política de elevado padrão ético e muita densidade política, estão erodir o resto da classe política que ainda preza a política com substância e que ainda estima a pluralidade de opiniões. E o problema ainda se agrava mais se pensarmos nos "consumidores de política" (leia-se, potenciais eleitores) que aí vêm, dada a ignorância mínima garantida que está a sair das nossas escolas...

Valia a pena era todos suspenderem a parvoíce, e não era por 6 meses...

2 comentários:

Dulce Alves disse...

A Drª Manuela julgava os portugueses suficientemente inteligentes para perceberem o alcance da ironia. Mas na verdade, os portugueses são suficientemente burros para não perceberem que o conceito 'democracia' vêm minguando à medida que este Governo pousa a mão em tudo quanto mexe... De qualquer das formas, considero que MFL deveria dedicar-se, mais do que à ironia, a fazer frente a este Governo...

Luis Melo disse...

Reformar a comunicação social
É incrível como os media querem continuar a deturpar o que Manuela Ferreira Leite diz, e com isso tentar descridibiliza-la e até, ridiculariza-la. O que a líder do PSD disse, e bem, foi que "não se pode hostilizar uma classe profissional para de seguida ter a opinião pública contra essa classe profissional e então depois entrar a reformar".

Ora isto é exactamente o que o governo do PS está a fazer. Como sabe que as suas más reformas, vão ser contestadas pelas classes profissionais, Sócrates tenta denegrir a imagem destas na opinião pública, para depois os restantes portugueses ficarem de lado dele.

Para implementar reformas na Justiça, tentou fazer crer que o que estava mal eram os juízes e as suas férias compridas. Nada mais errado e ridículo. A fraca justiça tem a ver com tudo menos com a performance dos juízes.

Para implementar reformas na Educação, tentou fazer crer que o que estava mal eram os professores e a sua avaliação. Nada mais errado e ridículo. A fraca educação tem mais a haver com o facilitismo do que com o desempenho dos professores.

As palavras de MFL foram irónicas, no sentido de criticar a forma como Sócrates tem governado, e a maneira que tem adoptado para implementar as diversas reformas. Mais uma vez, a comunicação socratiana vem tentar arranjar um problema onde ele não existe, aproveitando para fugir á questão central... a forma errónea como este governo reforma.