segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Mas ainda têm dúvidas?!


Goste-se ou não, cada vez mais há mulheres a ocupar lugares de destaque no palco político até agora quasi exclusivamente masculino.
Além de exemplos como Kirchner, Merkel, Bachelet, Tymoshenko, etc, nos últimos dias as protagonistas têm sido elas: Sarah Pallin abalou indelevelmente as Presidenciais norte-americanas; no Japão uma ex-ministra, Yuriko Koike, prepara-se para disputar o lugar vago deixado pelo vetusto Yasu Fukuda; e em Israel, Tzipi Livni pode bem vir a ser a próxima Golda Meir. Quotas, para quê?!

4 comentários:

Gonçalo Capitão disse...

D

Consegui comentar antes do mais atento dos nossos leitores!!!

Aproveitando o feliz ensejo, digo que sobre quotas escrevi no passado e concordo contigo:

http://lodonocais.blogspot.com/2006/03/rezar-por-13.html

Podias acrescentar que Manuela Ferreira Leite lidera o partido que aspira ao poder, em Portugal. Lamento que a tua "meninice" (que aprecio, como sabes!...) te tenha feito esquecer a imensa Lady Thatcher!

Dulce Alves disse...

Gonçalo,

Thatcher?! Não menosprezando a Dama de Ferro, por ora falo de mulheres actualmente em exercício(ou a caminho disso), a contrario teria falado também em mulheres de armas como Segolene Royal, Michel Pierre-Louis, Ingrid Betencourt, Hillary Clinton, Condoleeza Rice, Benazir Buttho, Eva Perón, Lurdes Pintasilgo, etc, e por que não Venezuela Isquierdo – a única mulher que ousou ir a votos nas presidenciais que Chavéz arrebatou...?

Quanto à ‘nossa’ Presidente, reconheço a falha... :)

Luis Melo disse...

Concordo plenamente. Quotas para q? Acho inaceitável que um país dito desenvolvido, ainda pense que as mulheres são preteridas na política por... serem mulheres.

Bia disse...

E EU?!?!?!?!?!?!?