sábado, 15 de setembro de 2007

Galhardia

Temos acompanhado com interesse a participação dos valentes "Lobos" no Campeonato Mundial de Rugby, onde, recordamos, jamais participara uma selecção amadora, como a nossa.
Hoje, perdemos por 108 a 13 com a melhor equipa do mundo, a Nova Zelândia. Com todo o respeito e orgulho, era como se, no futebol, as Ilhas Fidji defrontassem o Brasil, com a agravante de que, aqui, se pode cavar mais o fosso, pela natureza do sistema de pontuação.
Porém, há mais, para além de não termos deixado o resultado tornar-se anormal (a Itália, que está no top 6 europeu, perdeu por 76 a 14...):
  • Respeitámos o adversário e a nossa bandeira, não nos encolhendo.
  • O jogo foi, dentro e fora do relvado, uma festa.
  • Ganhámos o respeito dos adversários que, sem fazerem o jogo das suas vidas, nunca abrandaram a carga, à boa maneira da moral prática do mundo anglo-saxónico.

E pego nesta referência à maneira anglo-saxónica de estar na vida para dizer que, em Portugal, é isto que nos falta no futebol, no trabalho, na vida quotidiana e na política...

1 comentário:

Ricardo Cândido disse...

Muita garra e vontade, por parte dos "Lobos". As diferenças estiveram à vista, como seria de esperar.