sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Caro Ricardo (bancada parlamentar):

...Sendo suspeito para comentar o teu texto - fui um dos que PSL entendeu que não era essencial (algo que é legítimo e, dado o que se viu, quase prestigiante) e que "levou" com o PPM e o MPT (as mais caras boleias da história parlamentar) - creio que estás certo.

Pedro Santana Lopes, como quase todos antes dele, foi permeável à "mercearia" a que os partidos normalmente se entregam na distribuição de lugares.

Em bom rigor, deveria pensar-se de que equipa parlamentar se precisa à chegada, assim constuindo um "plantel" equilibrado por especialidades, características pessoais (tribunos, negociadores, técnicos, etc) e, moda oblige, de género.

Porém, "diz-me quantos votos tens, dir-te-ei o teu lugar numa qualquer lista" é mote mais comum, com as consequências que se sabe...

E o pior, caro Amigo, nem é o futuro do "administrador do Lodo" (que a amizade te leva a citar) que está em causa, mas sim o futuro do País, que se afunda a cada estudo estatístico publicado pela União Europeia, entre outras coisas, por estar tão mal servido de classe política.

Quanto a Marques Mendes, creio que mostra que quem nasce para uma coisa nem sempre consegue ser outra e que há coisas que o tempo não melhora.

Se já era mau que o premier social-democrata atacasse o seu exército (mesmo que mau, é o que tem), tentar disfarçar o que disse (basta ver a edição de ontem do "Público") ainda me parece pior (note-se, todavia, que me enojam as vozes púdicas que andam, desde 2005, a dizer o mesmo que Marques Mendes, mas que agora parecem chocadas). Seguiu a marcha do caranguejo...

Já que assumiu uma crítica (para mais, não totalmente infundada e, menos ainda, inaudita), deveria manter o que disse e mostrar com que critérios vai corrigir o tiro. O pior, já se sabe, é que os critérios serão mais ou menos os mesmos, mudando apenas as lealdades a contentar.

Aceita um abraço amigo do
Gonçalo

4 comentários:

Ricardo Cândido disse...

Já que não nos temos encontrado ultimamente, resolveste utilizar o blog como plataforma de contacto. Fizeste tu muito bem…

Deixa-me só realçar que conheço muita gente, que felizmente tenho bons amigos (esmagadora maioria fora da política!), mas que não reconheço a nenhum as capacidades de tribuno que te reconheço a ti.
Portanto, deixa-te de tretas com a história da amizade, que se falei no "administrador do lodo", foi porque o que lhe fizeram foi um escândalo que prejudicou o partido e também, porque não dizê-lo, o País.
Sabes Gonçalo, infelizmente nem todos se podem gabar de ter como orientador da tese de Mestrado o prof. Marcelo Rebelo de Sousa. O meu também é muito bom, mas o teu tem espaço televisivo.

Aceita também tu um abraço amigo
do Ricardo

luis cirilo disse...

Desculpem lá intrometer-me numa conversa (quase)privada mas ficaria mal se nao deixasse aqui o testemunho de quem foi colega de bancada do Gonçalo.
E a verdade é que ele,quer em plenário quer em comissões especializadas,foi dos melhores deputados do PSD nos ultimos anos.
Claro que lá devia estar,claro que foi uma injustiça o que lhe fizeram,claro que o grupo ficou mais pobre sem ele.
A verdade,irónica e cruel,é que ser bom deputado não chega.
Trabalhar,ser assiduo,acompanhar o circulo eleitoral não é suficiente.
Porque na hora das escolhas ou se tem poder partidário,ou um "padrinho" influente,ou então a probabilidade de ser excluido é muito alta.
Foi o que aconteceu ao Gonçalo.
Que contudo soube sair de cabeça erguida.
Nem outra coisa esperávamos dele.

Ricardo Cândido disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Cândido disse...

Pois caro Cirilo, mas:

Tenho imensas dúvidas que com a passagem do poder de escolha dos deputados para a esfera concelhia e distrital, tal não venha a acentuar a necessidade desse "poder partidário" ou do tal "padrinho" político.

A grande diferença é que passaremos de uma esfera nacional, para uma esfera local, com tudo o que isso tem de bom e de mau.

Sem falarmos em possíveis moedas de troca para eleições distritais, visto que tal concelho representa X votos.
Sou muito céptico relativamente a essa proposta. Muito me engano, quem ganhará serão os caciques, os tais "movimentadores de massas", ou como dizia um amigo que anda longe das lides, os "traficantes de carne branca".