terça-feira, 14 de fevereiro de 2006

Para "coimbrês" ver

Cada vez mais me convenço que há uma diferença cultural de tomo entre os latinos e os anglo-saxónicos.

Falo da cultura do mérito e de todas as suas implicações. Por norma (não pode generalizar-se, como em nada na vida, é claro), um indivíduo de matriz anglófona, a mais de acreditar que o mérito pode ditar o bom ou mau resultado de um percurso pessoal, olhará os casos de sucesso com respeito e como um incentivo a melhorar; dirá que, se determinada pessoa alcançou um determinado feito, nada diz que, com igual esforço, qualquer outro não possa fazê-lo.

Por cá, se um tipo com posição de relevo se mantém simples nos modos, elogia-se (sempre que se opta por essa raridade que é um comportamento positivo) o facto de saber viver como o povo; ou seja, em vez de presumir que se trata de uma maneira de ser, gaba-se a não elevação do padrão de vida.

Por seu turno, se, de facto, um dos nossos compatriotas mais bem sucedidos muda de modus vivendi (por vezes, é mesmo incontornável), a inveja e a busca de pontos fracos passa a desporto olímpico. Mais do que olhar para a meta, procura-se fazer regressar os mais rápidos à linha de partida.

Vem isto (também) a propósito da nossa política e, para que fique claro, digo já que podem atacar-me (muitos já o fazem) de mil maneiras e sobre mil e um assuntos, mas garanto-vos que nunca misturei política com negócios e, por isso, estou à vontade para escrever o seguinte: independentemente dos contornos financeiros e legais da questão, que devem ser esclarecidos (sendo caso disso) pelas autoridades e pelos visados, a recente exposição mediática do nosso conterrâneo Nuno Freitas parece-me pensada, parcial e excessiva.

Sumariamente, para quem não tem acompanhado a polémica, alega-se, entre outras coisas, que Freitas teria favorecido, enquanto nº 1 do IDT (Instituto da Droga e da Toxicodependência), quer a irmã (que editaria uma revista financiada pelo IDT), quer uma empresa do seu (nosso) correligionário e dirigente da JSD, Filipe Nascimento.

Nuno Freitas alega a legalidade do processo e, como disse, creio que isso é assunto para ser esclarecido pelas vias competentes e não por um julgamento popular. Quem errou que pague, quem não o fez que veja o bom nome preservado.

Mas vamos aos passos do juízo que fiz sobre a atenção que o assunto tem merecido, mormente na “blogoesfera”. Entendo que é uma divulgação pensada, pois ando pela política há tempo suficiente para franzir o sobrolho quando vejo um assunto com algum tempo de maturação a merecer tanta atenção à porta de eleições concelhias. O facto é que se falava, fazia algum tempo, na hipótese de Nuno Freitas avançar para a comissão política concelhia de Coimbra do PSD. Que melhor altura? E mesmo se não foi ninguém do establishment a atear este fogo, teremos de convir que é uma coincidência danada.

E nem se pense que estou a culpar a imprensa tradicional; o seu dever é informar. O que me intriga é o sentido de oportunidade das fontes de informação, confesso… Mas creio que sobre isto, mais tardar na altura da próxima lista de deputados, iremos tendo mais pistas.

Em segundo lugar, afirmei que tudo isto me parece parcial. De facto, com o avolumar de outros rumores, já há muito que os justiceiros de Coimbra podiam ter gritado por justiça. Só ouviram falar deste assunto? Basta visitar os blogs locais para ler insinuações sobre água, vinho, gasosa, e milhares de assuntos.

Não insinuo nada sobre quem quer que seja, note-se! O que quero dizer é que é curiosa a devoção recente e exclusiva por este “caso”.

Por fim, digo que se trata de uma atenção excessiva, quando não mesmo cruel, porque olvida que se está a “derreter”, ainda sem o apuramento cabal do assunto, um dos mais brilhantes quadros do PSD (e é também por isto que nada me parece ao acaso).

Tenho dito e escrito que a política nacional, em geral, e a de Coimbra, em particular, têm caído no cinzentismo, no deserto de ideais e na orfandade de novas lideranças. Com todos os seus defeitos, o Nuno seria (será, digo eu) uma boa hipótese de regeneração.

Ninguém quer mais do que eu (também sou cidadão e contribuinte) que o caso seja levado às últimas consequências, mas dá-me dó e encoraja-me a desistir a mesquinhez, a crueldade, a leviandade, a falta de consideração e o anonimato com que hoje se abordam os temas de interesse cívico, como é, inegavelmente, o caso.

9 comentários:

el__sniper disse...

Concordo com a sua visão do mérito e sucesso da matriz anglo-saxónica e latina, contudo falta dizer uma coisa...

...por muito menos na Inglaterra e EUA políticos foram destruídos, pq quando se fala de dinheiros públicos nesses países mais do que a legalidade está a moralidade (e qq ideia de enriquecimento fácil, ainda que legal pela via do Estado é fortemente impensável. Lá o sucesso só mesmo com trabalho).

Posto isto, não sei se é verdade ou não que Freitas tenha favorecido alguém, acho é sempre estranho que jovenzinhos, recém-licenciados, sem experiência de fundo noutra coisa que não política exerçam cargos de direcção em Institutos importantes (Freitas, Castanheira, ... são exemplos acabados).
Mais que o tal mérito anglo-saxónico há em Portugal a atribuição de capacidades e valores a pessoas , sómente intuidos e não provados para as salpicar pela adm. pública.

Em Portugal basta ser bom 'de boca', não vale a pena ser bom 'de facto'.

.

SFA disse...

Caro el_sniper, tenho que concordar com o meu amigo GC. O Freitas é bom "de facto".

Gonçalo Capitão disse...

Caro Sniper:

O Freitas, posso atestar, é intelectualmente muito válido.

Quanto a nomeações de jovens, falhou uma...

No que diz respeito ao mérito e moralidade, nesses países, sobretudo nos EUA, a conduta do Estado deve reflectir a virtude privada. Daí que a sua observação seja certa. Veja-se, por exemplo, a Doutrina Monroe, no direito internacional.

Veja é o "mero acaso" do surgimento deste caso, e avalie a moralidade que preside aos denunciantes...

O abraço do costume, para ambos

Amo-te_coimbra disse...

Concordo Plenamente!
Nuno Freitas é um rapaz de muito valor, e acima de tudo é de Coimbra... deixando para trás pessoas que chegaram a Coimbra e usaram a cidade e o partido no seu interesse pessoal!

O Politicopata disse...

Caro Gonçalo Capitão: Não quer instalar um Site Meter no seu Blog para saber quantas pessoas é que o frequentam??? Eu por acaso tenho curiosidade...

Caso queira (e com a melhor das intenções), cá vai:

http://www.sitemeter.com/?a=home

Abraço do
Politicopata

Spin Doc disse...

Mas Dr Capitão, o Sr acha bem que se entregue as coisas ao amigo e companheiro de partido acima dos valores de mercado e ainda por cima através de esquemas e concursos manhosos?
NA CÂMARA E NA LUSITANEA COM AMULHER TB FOI AMESMAM COISA. SE QUISER, UM DIA EXPLICO-LHE COMO FAZIAM.
E eu continuo a apensar que V.E.xa é INTELIGENTE e não é pelo Freitas ter trazido (o ultimo concerto em Portugal, lembra-se)dos Stones com o apoio do seu amigo Miraldo d GALP que eu vou pensar mal de si

Espero e continuo a acreditar que também não tenha rabos de palha

Gonçalo Capitão disse...

Caro Politicopata:

Honestamente, prefiro não saber. Assim, escrevo sem pensar em audiências... :)

Caro Spin Doc:

1-As irregularidades devem ser investigadas, até ao fim. Digo-o no texto.

2-Alegadas imoralidades devem ser vertidas na lei, assim se tornando em ilegalidades. Infelizmente somos tributários da concepção continental europeia da lei, onde o texto legal é tudo (e daí o perigo de ter maus legisladores e assessores num parlamento). Se fossemos anglo-saxónicos, juízos morais poderiam, mais rapidamente, ditar terapêuticas tidas por adequadas.

3-Quanto ao Nuno, o que digo é que nada disto parece ao acaso, e que ele, com ou sem erros, sempre é um valor seguro face ao estado actual da política em Coimbra.

4-Quanto a mim, procurarei honrar o seu voto de confiança. Não tenho negócios e estive em exclusividade na A.R. Conscientemente, serei sempre cumpridor de todas as obrigações legais e cívicas.

Viriatus disse...

"Nuno Freitas alega a legalidade do processo e, como disse, creio que isso é assunto para ser esclarecido pelas vias competentes e não por um julgamento popular. "

que tal uma a nomeação de uma comissão de inquérito?....

e já agora, para "coimbrês" ver" por que razão um homem público esconde o seu profile neste blog?

tenha a coragem

Gonçalo Capitão disse...

Eu assino sem pseudónimo.