segunda-feira, 2 de maio de 2005

Uma camisa para o dr. Jorge

O Presidente da República foi fiscalizar o tráfego com a Brigada de Trânsito da GNR, e fez bem, no essencial.
Porém, como não bastava a dissolução da Assembleia da República, quando teve um problema com o Governo, o nosso Presidente voltou a falhar o alvo, desta vez em matéria rodoviária.
De facto, ao recomendar que os agentes que guiam carros descaracterizados passem a andar à paisana [alegadamente, porque muitos automobilistas "abrandavam pois reconheciam 'as camisas azuis da GNR'" (segundo o DN de hoje)], o dr. Sampaio esqueceu um pequeno detalhe: a quantidade de criminalidade que já acontece nas estradas.
Dito de outra forma: que impedirá os gangs, que já hoje assaltam nas auto-estradas, de porem uma luz azul e nos mandarem parar? Tenciona parar?! E em tribunal não vingará a incerteza sobre a identidade dos interceptores?!
Falar depressa, nem sempre é falar bem, e se, a fazer fé no que se leu e se disse, algumas declarações do dr. Santana indispuseram o dr. Sampaio, que tal uma auto-dissolução?...

3 comentários:

Salvador Massano Cardoso disse...

Também ouvi o Senhor Presidente a dizer que seria melhor os polícias andarem à paisana nas viaturas descaracterizadas. Arrepiei-me logo! Eu não paro! Que venham atrás de mim até à esquadra ou posto da GNR mais próximo... Mas eu vou à frente! O melhor é arranjar um dístico: "Follow me até ao posto policial mais próximo" Aí poderemos conversar em segurança...

Carlos Lopes disse...

É sempre bom ouvir estes disparates a quem tem segurança particular há pelo menos 10 anos e motorista há quase 20.
Pense bem, Sr. Presidente, dispense o polícia fardado à sua porta e coloque lá um à paisana. Creio que na companhia das meninas que costuma ter lá na rua, muito provavelmente este "seu polícia" passaria por proxeneta.
A farda identifica-o. É por isso que os agentes andam fardados. Se não andarem, podem ser qualquer pessoa...
O nosso Presidente diz estes disparates por não ter mais que dizer... agora que já não usa os seus poderes de "fiscalização preventiva" ao executivo.

Fernanda Marques Lopes disse...

É verdadeiramente apavorante esta ideia! Já me arrepia por vezes dialogar com alguns agentes da autoridade quando eles estão fardados, devido à arrogância, indelicadeza ou ousadia do mesmos, quanto mais agora, que aos nossos olhos são agentes invisíveis, porque não vemos a farda, mas apenas os pelos do peito que algum mais campónio goste de mostrar, por entre a camisa e o indispensável fio com o crucifixo em ouro. Como os distinguiremos de tantos outros peculiares cidadãos?
É caso para dizer que, mais uma vez, o Sr. Presidente deu um tiro no pé, como já vem sendo hábito, aliás... resta esperar que o Presidente que se seguirá tenha melhores ideias e mais felizes "saídas", quando se lembra de discutir algum problema... a bem de todos nós e, já agora, Portugal agradece.