segunda-feira, 21 de setembro de 2015

A verdade nua e... grávida...


Comentei na página de Facebook de um amigo a recente paixão de Joana Amaral Dias pelo “strip-tease” para dizer que, embora a malta agradeça, a descascada postura já não tem o que quer que seja de política.

Postas as hormonas em sentido, há que ver que se a cidadã fosse de direita, no mínimo, era porca; sendo de extrema-esquerda é “cool”, ousada, vanguardista e defensora da autonomia da mulher.

Se calhar (margem de erro quase nula), JAD já criticou o uso da imagem das mulheres pelo imperialismo; pois bem, haja ou não tomado tal posição, a verdade é que, em campanha eleitoral, é disso que falamos. A candidata achou que despir-se (supostamente porque é um gesto bonito) lhe traz vantagens, e tudo o mais que se diga são efabulações.

Dito isto, é preciso ir a outro ponto crucial: trata-se de uma consequência clara da sociedade mediática e da interpretação que grande parte dos jornalistas faz da sua missão. Tenho escrito amiúde (com a clara sensação de que poderia falar directamente para a secção de congelados de um qualquer hipermercado; instalação do século XXI para o Sermão de Santo António aos peixes…) que, no que diz respeito ao primeiro ponto, as empresas de comunicação procuram o lucro e não a informação. Ora, a emoção sempre vendeu mais do que a razão.

Já parte dos jornalistas, pelo menos em Portugal, entende a sua missão como contra-poder, sendo o jornalismo de escola uma doce recordação de um passado que já não volta. Nessa perspectiva, qualquer atitude que vise perturbar a ordem tradicional goza de um favor desproporcionado nas suas peças. Nem outra, a meu ver, é a explicação da desmesurada projecção do Bloco de Esquerda, durante anos. É ademais a mesma ideia que me parece fundamentar o gosto de alguns jornalistas pela desconchavada aparência à BE.

Estes factores e um certo gostinho pela desforra que alimentamos pela desforra são os únicos temores que tenho de que os carros alegóricos que aparecerão no boletim de voto averbem resultados visíveis… Não será pela consistência das propostas que Marinho Pinto (repito, uma espécie de Mário Nogueira de gama alta), Joana Amaral Dias, Bloco de Esquerda, e outras variações em demagogia maior elegerão deputados.

Para que não se perca a pedra de toque configurada nestas linhas, recentro o tema: por muito que goste de mulheres nuas (peço desculpa pela falta de vanguardismo, mas sou de gostos clássicos), ainda tenho uma ideia da actividade cívica em que o que importa despir são as razões e os ideais.

Sem comentários: