quinta-feira, 21 de agosto de 2008

E lá se vão as tristezas e as dívidas ao padeiro!


Depois da tempestade que se abateu sobre os atletas portugueses a representar Portugal em Pequim, eis a bonança: finalmente a nossa bandeira chega ao topo do pódio do Jogos Olímpicos.

Nélson Évora acaba de confirmar o seu talento ao arrecadar com um magnânimo salto de 17,67m a Medalha de Ouro no Triplo Salto.

Depois de prestações medíocres e das (muitas) tolices proferidas por alguns atletas lusos, depois do desaire de Naide Gomes, depois da pobre (mas digna) despedida de Obikwelu, depois da honra do convento salva pela imparável Vanessa Fernandes, ouso dizer que o ouro era merecido.

Qual bálsamo, a desejada medalha conforta agora esta nação que nos últimos dias se vê envolta em assaltos, tiros, mortes e outras misérias que começam a tornar-se o pão nosso de cada dia. Esperemos que a glória hoje alcançada não sirva aos políticos para falar do grande País que somos, esquecendo a pequenez que fica para lá do biombo olímpico.


Todavia, esqueçamos as tristezas, pois hoje é dia de festa!


* a aparatosa epígrafe deve-se à extravagância do Administrador do Lodo, SAD, que colaborou na redacção deste parecer.

3 comentários:

João Morgado disse...

Devo confessar que não considero a prestação portuguesa nos jogos olìmpicos tão desastrosa como tem sido defendido. Para além das duas medalhas, devemos relembrar as duas atletas portuguesas que ficaram entre as 10 primeiras classificadas dos 20 km marcha, o 4º lugar na classe lazer de vela, entre outras prestações que embora não tenham a mesma notabilidade de uma medalha, não deixam de honrar o nosso país. Numa competição como os Jogos Olímpicos, devemos ficar contentes somente por saber que os nossos atletas deram o seu melhor independentemente da classsificação que obtenham, não vivessemos nós num país que, apesar de alguns progressos, continua bastante atrasado relativamente a outros numa grande quantidade de desportos. Por tudo isto, ao mesmo tempo que reprovo as declarações de alguns dos desportistas presentes nas Olímpiadas (que não refectem a forma de pensar da grande maioria da comitiva), não deixo de ficar chocado ao ver um atleta como Francis Obikwelo pedir desculpa, quando estou certo que deu o seu melhor. Não deve pagar o justo pelo pecador, lá porque alguns dos desportistas não tiveram um comportamento adequado, isso não quer dizer que muitos outros não se tenham esforçado ao máximo para honrar o nosso país. Parabéns Nelson.

P.S. Aproveito o comentário, para agradecer ao admnistrador e restantes membros da Lodo.SAD o convite para contribuir para contribuir para este blog, espero estar à altura da tarefa.

Dulce Alves disse...

João,

antes de mais... benvindo!

quanto ao demais:
em momento algum fustiguei os nossos atletas com o que escrevi aqui pelo Lodo e continuo a achar que, pese embora o momento de glória do Nelsón Évora ( e da V. Fernandes), este JO decepcionaram pela postura de alguns deles. Tal como dizes, "não tem que pagar o justo pelo pecador", mas na sua generalidade os nosso atletas pecaram, ora pela atitude com que foram para Pequim, ora com as declarações bizarras que faziam, ora com tiques de arrogância, laxismo, etc etc... maus exemplos não faltaram e é claro que os media insistem sempre nesses... daí que os bons exemplos (como alguns de que falas) mal nos tenham chegado a conhecimento...
Terminando: acho mesmo (e não sou a única, a própria V. Fernandes disse-o) que muitos dos nossos atletas são demasiado amadores e levam a missão olímpica por "dá cá aquela palha"... Não encaram as coisas com o profissionalismo que se lhes exige ( o resto vem por acréscimo...)

João Morgado disse...

Dulce,

Compreendo parte daquilo que referes, no entanto não deixo de considerar que houve um exagero "mediático" à volta desta questão.
Enfim, é a tua opinião que óbviamente eu respeito.