quarta-feira, 4 de junho de 2008

Juízinho, pá!

Que a candidatura de um negro à presidência dos EUA é histórica, é!

Que Obama tem um estilo que todos entendem, que mobiliza e que promete uma liderança mundial mais conciliatória e arrojada, tem.

O problema é que, de Collor de Melo a Berlusconi, estes rasgos de esperança e inovação nem sempre acabam bem.

Resta a esperança de que, sendo eleito (a ver vamos):

  • Privilegie mais o multilateralismo e pare de chatear os russos gratuitamente.
  • Se tiver que fazer a guerra, pense no dia seguinte.
  • Combata o terrorismo com a humanidade possível, sem ter que convidar os detidos para um café, obviamente...
  • Cumpra o que alega serem as suas preocupações ambientais e bem rápido.
  • Em suma, seja um tipo estudioso, decidido e decente.

1 comentário:

freitaspereira disse...

- Pense nos 45 milhões de Americanos que não têm cobertura social na doença.
- Imponha a Israel melhor compreensão do drama Palestino e oriente a sua pressão para estabelecer enfim a paz no Médio Oriente.
- Resista aos "lobies" industrialo-militares que querem continuar a guerra no Iraque, quando sabemos que não existe solução militar.
- Pratique uma política de desanuviamento geral que permita à economia americana e mundial de voltar ao nível necessário para que o dólar cesse de descer, porque o preço do barril de petróleo acompanha-o, subindo, e desgraça-nos!
- Enfim uma política digna da América.

Mas ele ainda não chegou à Casa Branca.


Cumprimentos