quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Abertas as candidaturas


O director de programação da Sic, Francisco Penim, deixou a estação de Carnaxide, mas há já candidatos ao lugar.



"O presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, sugeriu na terça-feira que António José Seguro integre a Quadratura do Círculo da SIC-Notícias e que Manuel Alegre e o secretário-geral do PSD tenham um espaço na RTP para equilibrar o comentário político.


No encerramento das jornadas parlamentares do PSD, em Vilamoura, no Algarve, Luís Filipe Menezes considerou que o tratamento dado ao PS e ao PSD pela comunicação social é desigual e sugeriu a entrada de novos comentadores, sublinhando não estar a pedir a saída de ninguém.



O social-democrata Pacheco Pereira considerou «anti-democrática» e «ridícula» a sugestão feita pelo presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, de entrada de dois comentadores para a SIC Notícias e RTP para equilibrar o comentário político.


«Se temos um partido político que entende organizar os comentadores em função de regras que não têm a ver com partidos políticos (¿) é a coisa mais anti-democrática que se pode imaginar. Para além do mais é ridículo» disse Pacheco Pereira aos jornalistas, na Figueira da Foz. "

5 comentários:

Gonçalo Capitão disse...

Votei no dr. Menezes, mas confesso que era uma daquelas alturas em que teria votado Castanheira Barros. Tolice por tolice, que seja uma vocação...

Dulce Alves disse...

Reconheça-se que Menezes se pronunciou levianamente sobre um assunto que não é da competência de um dirigente partidário e (grave...) revelou estar mais preocupado com o que se diz sobre o seu partido, que com o que se faz com o seu partido.
By the way, parece que ultimamente pouco mais faz que vir a público sugerir nomes para aqui e nomes para acolá.

Contudo, verdade seja dita: n’A quadratura do círculo, Jorge Coelho defende com unhas e dentes o seu PS. Lobo Xavier prima pela imparcialidade e honestidade intelectual, ainda que ligado ao CDS/PP.
E Pacheco Pereira?...
O contumaz JPP ataca veementemente o seu próprio partido, como se o seu propósito ali não fosse outro. É legítimo (e até saudável) esta auto-análise e auto-crítica no PSD, mas não é sensato aquele ataque insistente e corrosivo à estrutura partidária em que milita.

Além do mais, JPP qualificou de “ridículas” as declarações de Menezes, mas cai também ele no ridículo ao vitimizar-se desta forma e ao denunciar uma suposta “caça às bruxas no PSD” (sic)...

Gonçalo Capitão disse...

Pacheco Pereira simboliza a sociedade aberta (cfr. Popper, entre outros).

Por exemplo, nada há de mais satírico do que a política americana e entendo que têm uma democracia vibrante.

Quase nunca concordo com ele, mas, à semelhança de Vasco Pulido Valente, testa a minha convicção nas causas que defendo.

Há espaço para todos e o dr. Menezes que use os tempos de antena. Estarei em risco de ser expulso se não me candidatar à liderança?!

xana disse...

De facto, o PSD está com o discurso mais pobre de sempre.

O que vale é que o partido é bem mais do que o Sr. Luis Filipe Menezes, e um dia, o tempo do Sr. vai acabar.

Não deixa de ser mais uma manifestação da classe política que temos.

luis cirilo disse...

Desculpem lá mas vocês não tem razão !
Em primeiro lugar porque o dr Menezes não quis escolher comentadores para coisa nenhuma.
Limitou-se a referir situações de facto,existentes nas televisões portuguesas,que são gravosas para o PSD.
Nomeadamente na RTP,serviço público de televisão,em que um porta voz do PS tem semanalmente meia hora sem contraditório para defender o governo.
Se considerarmos que o outro comentador de serviço,Marcelo,faz gala de manter a maior distância do PSD percebe-se bem o incómodo.
Na SIC,Quadratura do circulo,o panorama é o mesmo,talvez pior,porque o pacheco pereira só é PSD para o que lhe interessa.
De resto ultrapassa o proprio Coelho nas criticas ao partido.
E por isso num cenário de flagrante desigualdade (até porque repetido noutros orgãos de comunicação social) acho legitimo que o presidente do partido se insurja contra este estado de coisas.
Falou desta forma,podia ter falado de outra,ok,é uma questão de estilo e não de substância.
E,para terminar,quanto aos nomes que citou a titulo de exemplo:
Manuel Alegre e Antonio Jose Seguro.
São,hoje por hoje,os unicos rostos de divergência interna quanto ao unanimismo á volta de Sócrates.
Sejamos claros:ao trazer estes dois nomes para a praça pública o dr Menezes apenas quis chamar a atenção para o facto de dentro do PS existirem linhas de fractura quanto ao lider.
Não será esta também uma forma de fazer oposição ?
Compreendo,pela lógica corporativa porque se regem,que os comentadores se tenham unido num coro farisaico contra quem denunciou este estado de coisas e pôs,eventualmente,em causa os gordinhos cachets com que se abotoam todos os meses.
Percebo com muito mais dificuldade que dentro do PSD se tenha feito coro com os lamentos de quem só pensa em derrotar-nos.
Respeito quem pensa de forma diferente,mas cada vez é mais necessário deixarmo-nos de certas ingenuidades.