quinta-feira, 2 de julho de 2009

No princípio era a crise

acabada, depois vieram os sapatos italianos. Pelo meio, o país competitivivo em termos de custos e os inevitáveis mergulhos. Por fim a célebre troca de acusações com Paulo Rangel, em que, num aceso momento politiqueiro, publicitou uma quase esquecida marca de papas. Enquanto a blogosfera vai fervendo, cabe aqui a questão: será Pinho um ser predestinado para o disparate?

2 comentários:

Dulce Alves disse...

E a papa Maizena? Andou a recomendá-la aos adversários mas afinal era ele quem devia ter comido mais pratinhos de papinha... Ver se crescia um bocadinho...

Diogo Nogueira Gaspar disse...

Obrigado Dulce! já acrescentei. Na verdade, dado o número de episódios, já é difícil fazer o historial!