sexta-feira, 8 de maio de 2009

Stiglitz: Prognósticos só no fim do jogo


Se House (da mítica série) é tido como o melhor homem para diagnosticar doenças infecciosas, Stiglitz provou ser o melhor homem para diagnosticar as causas da Crise.

Falou da falta de ética que pautou o funcionamento dos mercados financeiros e da ingenuidade dos que caíram nas suas malhas. "There was a global market for fools, half of them were europeans", falando da comercialização internacional de títulos associados ao subprime.

Fez também referência aos antecedentes relativos às políticas da administração Bush. Medidas como a redução da carga fiscal para as classes com maiores rendimentos, algo que supostamente funcionaria como um incentivo à produtividade e empreendorismo destas pessoas, funcionou no sentido inverso. Gerou-se uma espécie de redistribuição invertida do rendimento, das classes mais baixas para as classes mais altas, levando como consequência a uma corrida desenfreada ao crédito fácil por parte do último grupo.

Não terminou sem antes enunciar aquelas que considera serem as melhores saídas para a Crise. Advogou que os estímulos estatais deveriam ser mais abrangentes e melhor estruturados, pôs em causa a redução da carga fiscal da classe média, que em época de Crise não se traduz em mais consumo, mas em mais poupança, incentivando ainda o apoio aos países em desenvolvimento que podem funcionar como motores de um novo desenvolvimento, faltando-lhes no entanto os meios.

A melhor conclusão que podemos retirar das declarações do Nobel da Economia é que parece irracional que uma Crise como a actual tenha eclodido, quando os seus sintomas eram tão claros.

por João Morgado, gentilmente dactilografado por Dulce Alves :)

1 comentário:

Dulce Alves disse...

Excelente a súmula que o «nosso» Stiglitz (aka João Morgado) fez da intervenção do Nobel nas CE, que aproveitou (e bem) mais um dos palcos que pisa para apregoar a sua teoria sobre a Crise e apontar o dedo a quem acreditou na auto-regulação dos mercados, que é como quem diz... os agentes políticos da 'direita'...