sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Nortada clássica

Se fui um dos maiores críticos da colossal derrapagem orçamental da Casa da Música e do facto de não prever espaço para óperas, também nunca deixei de reconhecer que o edifício é muito interessante e a programação aliciante.

No domingo fui ver e ouvir a Orquestra Nacional do Porto a tocar a Sinfonia nº 4 de Brahms (uma obra notabilíssima, sublinho), com uma particulariadade: antes da versão integral, havia uma contextualização histórica e um enquadramento musical da obra, em que as explicações de Rui Pereira (editor de programação) eram entrecortadas por trechos da Sinfonia, num diálogo interessante e formativo sob direcção do maestro Emilio Pomàrico.

E depois foi olhar à volta e ver crianças e idosos, famílias e grupos de amigos, num final de manhã e enriquecerem a sua formação e a fruírem melodias que elevam um estado de alma, a fazer lembrar os meus tempos de criança, em que a minha avó me levava ao Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra, para escutar ciclos dedicados a diversos compositores, sob orientação e explicação do maestro José Atalaya. Aí vi o evoluir de percursos com o de Jorge Moyano ou Pedro Burmester.
Ainda se faz boa cultura, apesar das vistas curtas dos nossos políticos...

1 comentário:

Dulce Alves disse...

Parece que o CCB já tratou de 'copiar' a ideia e tem agora os "Concertos à Conversa".
Caso para dizer: há plágios que vêm por bem ;)

http://www.ccb.pt/sites/ccb/pt-PT/Programacao/CiclosDetalhe/Pages/CONCERTOS%C3%80CONVERSA.aspx