quarta-feira, 23 de abril de 2008

um dó li tá

Não é difícil deduzir, pelo que por aqui tenho escrito, que gostaria de ver Menezes de novo na corrida à liderança do PSD. Não tenho dúvidas de que LFM levaria a melhor nesta concorrida maratona laranja e alcançaria a desejada relegitimação.
Não obstante, de nada vale cogitar sobre isto porque Menezes já garantiu que não se recandidata. Despediu-se esta noite da direcção do PSD e voltou à condição de mero militante. A prova de que, ao contrário do que por aí se disse, a sua atitude foi genuína, longe de ser taticista ou mesmo ardilosa.
Agora, e apesar do já vasto leque de candidatos e prováveis candidatos à liderança do PSD, a decisão de voto afigura-se tarefa árdua. Pedro Passos Coelho parece-me o mais consistente e congruente. Ainda assim, creio que esta sua candidatura é precoce, pese embora não duvide das suas capacidades – cabendo aqui destacar-lhe a sobriedade, característica que escasseia na classe política.
A avançar, a candidatura de Manuela Ferreira Leite será histórica. É a primeira mulher a concorrer ao cargo na história do PSD. Mas não é pela lógica cor-de-rosa (que é como quem diz, solidariedade feminina) que Ferreira Leite contará com o meu voto.
De Patinha Antão e Neto Silva cabe dizer que é louvável a disponibilidade de ambos quando outros militantes da mesma liga encolhem os ombros, mormente, aquele que ‘ajudou à festa’ mas que chegada a hora de encetar um novo capítulo, resolveu recuar.
Quanto à hipótese Alberto João Jardim, só a visão de tal cenário enche-me de medo. É inegável que é homem de valor e de obra feita - recentemente reconhecida pelas mais eminentes personalidades deste país - mas é também figura carnavalesca. E o partido não se pode dar ao luxo de andar a brincar às máscaras nesta época pouco festiva.
Já o possível regresso do menino guerreiro é-me incompreensível. Dizia Churchill que em política morre-se muitas e repetidas vezes; mas ou Santana tem problemas de memória ou ainda não se apercebeu que a sua ressurreição não é – por ora - desejável ao partido, por muitos discípulos que tenha por aí fora...
Até 23 de Maio, quantos mais se irão perfilar? Seja quem for, não há dúvida: para mim, isto só vai lá com a táctica do “um dó li tá”...

2 comentários:

Jones disse...

Manuela Ferreira Leite sem duvida...

luis cirilo disse...

Uma coisa lhe garanto cara amiga: as suas dúvidas são as duvidas de milhares de militantes do PSD.
E o que mais temo,sinceramente,é que essas duvidas persistam para lá de 31 de Maio.
A ver vamos...