sábado, 22 de março de 2008

Vão-se lixar

Como transformar um bacharelato em licenciatura por apenas 800€?

Aqui

Oferece-se uma amêndoa a quem descobrir quem é o ex-aluno mais mediático desse Instituto.

6 comentários:

amores-marginais disse...

Se me explicar o que se aprende por exemplo na licenciatura das Escolas superiores de saude nesse ano de licenciatura a não ser uns tontos que compraram eles os mestrados e nem se sabe quem são para puderem dar aquelas cadeiras que eles inventaram, alguns deles péssimos profissionais ao seu tempo, completamente desfazados da realidade dos Hospitais, prepotentes, que inventam cadeiras e ganham mais de 3000 euros, e que o unico prazer é fazer passar por estúpidos os que eles chamam velhos, e que sempre foram melhores que eles no mercado de trabalho, se me explicar direitinho para que tudo isto serve. Se me explicar quem vigia aqueles professores vaidosos e e mal formados.
Talvez não seja pior darem os créditos a quem está no mercado de trabalho, do que este pseudo enxovalho.
Enfim, mas se este é o País de tolos, de incompetentes no poder, porque estariam lá outros que não aqueles?
Escuso a assinar, porque eles são mal formaditos e quem tem cu tem medo. (tudo o que digo é facilimo de comprovar, basta visitas que n sejam anunciadas, avaliações conferidas , assistiem a certas aulas mas como alunos, pedirem por exemplo quais os critérios para se repetir cadeiras se a practica estiver feita etc ou seja, controle sério, coisa que não é agora que vai acontecer, claro..)

camarao disse...

Esse vão-se lixar deve ser dirigido à maioria da cambada de incompetentes que se senta na Assembleia da República e que aprovou toda a transição para Bolonha.

Uma licenciatura actual é menos do que um antigo Bacheralato. Faz sentido obrigar um bacharel com experiência do mercado de trabalho a fazer disciplinas para ter um grau que um aluno actual consegue estudando menos do que ele?

P.S. José Pinto de Sousa é o aluno mediático. Que, mais uma vez, os políticos insistem em tratar por Engenheiro.

Se o líder do seu partido tiver coragem para o tratar por Dr. José Sócrates num debate e se houver alguém com coragem para processá-lo pelo uso indevido do título de Engenheiro, então mudarei a minha opinião a respeito dos políticos. Até lá, digo: vão-se lixar, vocês

Ricardo Cândido disse...

Meus caros…

Permitam que me insurja contra passagens administrativas a troco de contrapartidas financeiras.

Concordando na essência com o processo de Bolonha, um dos seus principais pontos fracos sempre me pareceu a nomenclatura a dar às coisas.

Generalizando-se a lógica do ISEC, todos aqueles com licenciaturas de 5 anos, também deverão ser Mestres.

E olhem que por muito que me custe, contra mim escrevo.

Ricardo Cândido disse...

Caro Camarão:

Adoro marisco, no entanto,já tive algumas experiêncais desagradáveis.

Quando tal acontece, faço questão de não voltar a colocar os meus delicados pézinhos nesse estaminé.

Não entro é na infantilidade de dizer que, no geral, o marisco não presta.

amores-marginais disse...

eu tb n concordo com passagens administrativas nem com compra d licenciaturas nem de mestrados. por acaso sabe como conseguiram esses graus alguns dos importantes professores dos politecnicos? Informe-se. e , ninguém pede licenciaturas á borla. o que se pede é reavaliação dos créditos. nada mais. ou talvez licenciaturas dadas por verdadeiros conhecedores e não power points em copy paste dados por incompetentes .

e já agora bom blog, nada contra
:))

camarao disse...

Caro Ricardo Cândido,

Pode (e deve-se) insurgir sobre o que não acha correcto. Não pode e não deve é dizer disparates como este:

"Generalizando-se a lógica do ISEC, todos aqueles com licenciaturas de 5 anos, também deverão ser Mestres."

O ISEC ministrava licenciaturas de 5 anos, este ano tem um mestrado a funcionar e não é por isso que é dada equivalência. Porque? Porque há diferenças substanciais entre um mestrado e uma licenciatura, não só nas disciplinas, mas fundamentalmente na tese.

Agora no caso que relata, fique a saber que a actual licenciatura é igual ao antigo bacharelato (salvo algumas pequenas mudanças que foram acontecendo).

O que queria fazer a um antigo aluno que se inscreva na nova? Não lhe dava equivalência às mesmas cadeiras? Deixavam de valer?

Quanto à nomenclatura tem toda a razão, mas isso foi exigido pelas Universidades que se recusavam a ter de dar bacharelatos (que é para mim o que um curso de 3 anos é!).

P.S. Fico à espera que me indique um restaurante bom, ou seja, um político que trate o Dr. José Sócrates desta forma, recusando o uso abusivo do Eng e recriminando-o por isso.