quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

Serão os portugueses estúpidos?

Ainda sobre o programa "Os Grandes Portugueses", para o bem e para o mal, António de Oliveira Salazar foi reconhecido como um deles e, ainda para mais, um dos 10 "maiores" portugueses.
Finalmente, ultrapassa-se uma visão bafienta (essa sim) da História de Portugal, muito difundida pelos cultores de Abril.
Já há uns anos decidi arriscar a vida, defendendo num debate, em S. João da Madeira, que nem tudo fora mau no Governo do Doutor Salazar, como nem tudo fora bom no 25 de Abril. Perante uma plateia robusta e em cerca de 98% adepta da extrema-esquerda, ainda hoje creio que me valeu a estatura e ter aguentado o debate até cerca das 3h00 da madrugada...
O decurso do tempo manteve-me as ideias. Mas, mais do que argumentação (que seria sempre incompleta), prefiro responder por antecipação às FAQ (Frequently Asked Questions) dos discordantes mais bravos:

P: Como é que o "menino", que não era nascido quando Salazar morreu, pode ser tão benevolente?

R: Também o não era à data do óbito de D. Afonso Henriques, Vasco da Gama, Teófilo Braga ou Humberto Delgado...

P: Falou em Humberto Delgado porque não condena as torturas e assassinatos do Estado Novo?

R: Não! Condeno todos os excessos e atrocidades.

P: Então como pode condescender?

R: Não se trata de condescender. A verdade é que o quero dizer é que não pode diabolizar-se Salazar, pois, contextualizando, ver-se-á que, sobretudo até meados da década de 40, desempenhou papel patriótico, designadamente, pondo fim à bandalheira política e económica da I República, acabando com um intolerável anti-clericalismo e mantendo-nos fora da II Grande Guerra. Ou seja, tendo feito muito de errado (lamento sobretudo os sofrimentos humanos e a restrição da liberdade), não fez só asneiras, ao invés do que tenta vender-nos a esquerda mais propagandística.

P: É um salazarista?

R: Não. Acho, aliás, cretino que se seja algo em relação a fenómenos datados.

P: E fascista?

R: Pela mesma razão, não. Depois, porque não concordo com a ideologia. Em terceiro lugar, aproveito para esclarecer a imbecil ladaínha do PCP e do BE, dizendo que, em Portugal, é impróprio dizer-se, no sentido do modelo, que houve fascismo (esta é, pelo menos, a minha análise). Houve corporativismo de Estado.

P: É um "inimigo" da Revolução de Abril?

R: Não. Creio que foi muito positiva. Porém, no seu decurso houve excessos brutais e foi delapidado o Estado. Sublinho o papel de Sá Carneiro e o facto de, a meu ver, se assinalar o período em que Mário Soares foi verdadeiramente útil para a política nacional.

4 comentários:

Gonçalo Capitão disse...

Esqueci-me de atalhar a uma coisa óbvia: bem sei que é uma mera votação informal de um programa televisivo, embora auditada.

Luis Cirilo disse...

Gonçalo,concordando que se trata de uma mera votação informal,num programa televisivo,a verdade é que os 10 finalistas tem bastante lógica.
Surpresa em Aristides de Sousa Mendes e Alvaro Cunhal é certo,
Mas Salazar,por exemplo,parece-me uma escolha condizente com o periodo de tempo em que governou Portugal num espaço ainda recente.
E,sejamos claros,governou durante muito tempo com grande apoio da Nação.
Falo com o á vontade de quem tinha 9 anos quando ele caiu da cadeira...
Mais dificil de perceber me parece o critério da RTP quanto as personalidade que vão "defender" os "candidatos".
Então a indicação de Leonor Pinhão para "advogada" de Afonso Henriques pôs-me os cabelos em pé.
A amiga de Carolina Salgado.a taliban do SLB a defender o Maior dos portugueses ?
Que horror...

aireberyan disse...

Subscrevo tudo Gonçalo, excepto que
«Mário Soares foi verdadeiramente útil». Esse, desde que no consulado de Marcelo disse que todos os que viviam em Portugal eram assassinos, leva apenas o meu desprezo -é que eu era criança e só tinha cometido uns mosquicídios, nada mais. Nem que o enfeitem a ouro ficará 'olhável'.

Rui Miguel Ribeiro disse...

Aristides Sousa Mendes é uma surpresa pela positiva e subscrevo-a. Aliás não tenho objecções a 9 dos 10. A inclusão de Cunhal deve resultar de um voto corporativo decidido pelo Politburo, mas é realmente caricato.
Alternativas para o 10º passageiro?
Reis: D. João I; D. João IV; D. Dinis.
Políticos/Militares: Nuno Álvares Pereira; Fernão Magalhães
Cultura: Eça de Queiroz; Fernão Lopes; Garrett
Desporto Eúsébio.